quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Não tem remédio...

video


Algumas coisas não têm remédio. Não adianta.

No próximo domingo vou comemorar meu 20º dia dos pais! O 17º duplo e o 15º triplo! Veja você: Vivo há décadas o atrito contra as dificuldades do cotidiano, removendo as pequenas e grandes pedras da rotina. Aprendi por necessidade o significado da palavra praticidade. Um homem com uma casa pra cuidar e três filhos pra educar não tem muito tempo a perder. Ok. Tenho tudo pra ser um homem prático, certo?

Pois é! Acontece que em todas as frestas do meu dia, no menor descuido, eu volto ao mesmo ponto em que estava nos primeiros arroubos de romantismo. E olha que isso foi quando John Lennon ainda cantava Imagine ao vivo! Ao mesmo ponto, não. Pior, eu diria... Naquela época não havia dentro de mim tanta poesia, tantas histórias, tantos filmes, livros, músicas, cheiros, texturas
, tantas memórias onde amores e prazeres foram vistos, imaginados, vividos...

Fui um menino romântico demais e sofri pra burro durante os 80's. Perdi a chance de me tornar menos vulnerável com a maturidade. O que me salva é que aprendi a disfarçar durante o dia...


Para um sujeito assim, Nina Simone é uma ameaça de parada respiratória. Mas se acontecer, serei cremado sorrindo. I Put a Spell on You é uma invasão de energia densa e mágica. Uma onda que vai levando pra dentro do mar, com promessas de paixão e prazer eternos. Ouvindo, apenas, já é uma viagem. Mas a presença dela, no vídeo, incendeia tudo! A sereia negra, maravilhosa, traz a força de uma vida intensa, de entrega, luta e beleza. Tudo junto e tudo em abundância. Agora é uma onda em chamas! E não tem jeito: Vou nadando atrás do encantamento, com uma certeza ridícula e absoluta de que não há nada melhor pra se fazer na vida...
I put a spell on you... I put a spell on you...

Este texto termina aqui por dois motivos: Primeiro, para você não se distrair muito e curtir o final da música em paz. Segundo, porque estou aprendendo a falar (e escrever) menos.

Algumas coisas, enfim, têm remédio...


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gosto mais dos diálogos que dos monólogos. Mande pra cá o que está pensando!